Sempre que pedimos um vinho em um restaurante o Garçom, Maitre ou Sommelier traz a garrafa de vinho até a mesa, abre, olha a rolha e o vinho (e às vezes até cheira), dispõe uma quantidade mínima na taça e a oferece a quem pediu o vinho, para provar e aprovar!
garcom

Toda essa formalidade, esse ritual como diriam alguns, tem uma razão bem simples de existir, e faz todo o sentido:

O exame visual da rolha irá revelar se há manchas de vinho no corpo da rolha. O normal é que haja manchas de vinho apenas na parte inferior da rolha, e que fica em contato com o líquido dentro da garrafa. Se houver manchas de vinho ao longo do corpo da rolha, isso significa que pode ter havido vazamento de vinho por entre as ranhuras da rolha, e a entrada de oxigênio na garrafa, causando oxidação do vinho.

E o exame visual do vinho na taça irá revelar se o vinho contém impurezas e suspensões, e se está sendo servido com borras, caso em que surge a necessidade de prévia decantação do vinho, para separação da parte sólida do líquido da bebida.

Depois parte-se para o exame olfativo do vinho (e até da rolha), a fim de se identificar se o vinho está realmente oxidado (apresentando odor de vinagre, Vermute), se o vinho está bouchonné (apresentando odor de mofo), ou se o vinho está “brett” (apresentando odores intensos e em demasia de couro, suor e bacon).

Concluídos os exames visual e olfativo, a identificação de algum tipo de defeito é a única justificativa para a recusa e retorno de uma garrafa de vinho adquirida em um restaurante.Para saber mais sobre os defeitos do vinho, clique e leia o artigo Esse vinho é bom? Ou esse vinho é ruim?

Devolver o vinho simplesmente porque você escolheu mal e o vinho não agradou ao seu paladar ou ao de sua(eu) convidada(o) é uma atitude reprovável, e que pode inclusive ser contestada pelo estabelecimento, causando enorme (e desnecessário) constrangimento a todos.

Anúncios