É possível descobrir muito sobre o vinho que está diante de você pelo simples exame da garrafa

Analisando o tamanho, o formato da garrafa e até mesmo a cor do vidro, fica bem mais fácil encontrar o vinho que você procura nas prateleiras dos grandes revendedores e importadores.

E em um evento ou recepção, analisando esses mesmos elementos você consegue saber, em um passar de olhos, que tipo de vinho pode estar sendo servido e fazer a sua escolha.

Isso pode parecer difícil, mas não é, não.

Nas linhas que se seguem em mais alguns artigos contarei tudo o que eu sei sobre garrafas de vinho.

Vamos lá:

DESDE O COMEÇO

Apesar de o vinho ser produzido desde os primórdios dos tempos, e de sua história se confundir com a história da própria civilização humana, foi somente nos idos dos anos 1.500 a.C. que os vinhos produzidos pelos Egípcios passaram a ser armazenados em ânforas (vasos antigos feitos de barro ou de cerâmica, com formato ovalado e com duas alças laterais), que serviam exatamente para transportar e armazenar o vinho para consumo tardio, fora da estação de colheita das uvas.

 

vinho-egipto-iii

anforas

No final do Império Romano, por volta de 200 d.C., as ânforas foram então substituídas pelos barris de madeira, acreditando-se que os barris tenham sido inventados pelos Celtas para comercialização do vinho para toda a Itália.

AS PRIMEIRAS GARRAFAS DE VIDRO

Centenas de anos mais tarde foram utilizadas as primeiras garrafas de vidro feitas manualmente, e que eram literalmente “sopradas” pelos artesãos, utilizando-se do mais rústico e rudimentar sistema de fabricação.

As garrafas artesanais continham formato e tamanho irregulares, eram frágeis, raras e bastante caras, de modo que somente os melhores e mais bem conceituados vinhos eram armazenados em garrafas de vidro.

Possuíam uma concavidade na base, uma reentrância no fundo, chamada de “punt”, que, descobriu-se, ajudava no equilíbrio da garrafa na posição vertical, eis que a “emenda” do vidro ficaria na parte inferior no interior da garrafa; auxiliava no empilhamento das garrafas na posição horizontal, eis que o gargalo de uma garrafa podia ser encaixado na reentrância do fundo de outra garrafa; e aumentava a resistência do envase para o acondicionamento de espumantes, eis que ajudava na distribuição da pressão interna típica desse tipo de vinho, evitando que as garrafas explodissem.

As garrafas de vidro resistente e translúcido com formato cilíndrico, tal como as vemos hoje, surgiram somente nos idos do Século XVII, durante a Revolução Industrial, quando se passou a fabricar garrafas de vidro em série, bem mais resistentes e a um custo menor, o que veio a revolucionar o mercado de vinho.

Em mais 4 posts, falamos sobre o tamanho das garrafas, as diferentes cores, os diversos modelos e sobre a tal da reentrância na base das garrafas. Não perca a série completa:

Os variados tamanhos das garrafas de vinho

Entendendo os diversos formatos das garrafas de vinho

Conhecendo as diferentes cores das garrafas de vinho

A reentrância na base das garrafas de vinho

E no final da leitura e com alguma prática em observação, eu espero que consiga identificar uma garrafa de vinho a partir de uma simples análise da garrafa!

Anúncios